Assim caminha a parte podre da justiça paraense

Quando se fala em corrupção no país logo se pensa no “mensalão” (segundo o jornalista Mino Carta, só existe na fúria da imprensa podre). Mas, a corrupção se espraia para todos os tentáculos através do poder constituído e do poder paralelo.

Hoje, o STF julga se juízes, desembargadores e procuradores, enfim, se a parte podre da justiça enfiada até o talo na corrupção pode ser investigada pelo CNJ – Conselho Nacional de Justiça.

Entre as investigadas pelo CNJ, temos uma das principais representantes da parte podre da justiça paraense, a magistrada Vera Araújo de Souza, que acaba de ser promovida ao cargo de desembargadora pelo Tribunal de Justiça do Pará (TJE)

A ministra Eliana Calmon está no pé da agora desembargadora Vera suspeita de conluio com uma quadrilha especializada em corrupção no sistema financeiro e, o Banco do Brasil era a bola da vez pela quadrilha, onde a dona Vera é suspeita por fraude, mas foi promovida pelos amigos de TOGA do TJE. Pode?

Leia mais:http://migre.me/7LES6

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s